Tradutor

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Um barquinho de papel

Lá vai um barquinho de papel
Dentro dele um coração tão pequenino
Ele vai navegando num rio
Às suas margens uma flor orvalhada
Corre em direção ao mar
Pálido o rosto, negros os cabelos
Olhos marejados guardam um segredo
ela não sabe esquecer
Apenas onde esperar...

4 comentários:

  1. Lindo este poema pela pureza e serenidade das palavras expressas!

    Beijo do ZÉ

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Zé, pela visita e comentário.
    Beijo
    Neusa

    ResponderExcluir
  3. passa um sentimento de solidão...bjos

    ResponderExcluir
  4. Olá Daniel, que bom saber de ti aqui.
    Beijo
    Neusa

    ResponderExcluir