Tradutor

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Quando se come o próprio coração

                                          Lí duas linhas negras
                                          na ponta de uma espada
                                          E caí de joelhos
                                          numa terra de sal e fogo
                                          que ardia em brasa
                                          E chorei cinzas
                                          Mas não morrí
                                          Arranquei meu coração
                                          e o comi ainda quente
                                          Enquanto o sangue escorria
                                          entre meus dedos roxos
                                          fechei a porta da ilusão
                                          procurando pela dor
                                          que em mim não doía
                                         Apenas me amargava a boca
                                          o sangue que eu bebia






2 comentários:

  1. Se ainda estivessemos no Luso, este seria Favorito com F maiúsculo. "Cresceste" muito, desde os tempos em que eu te lia lá e agora. Ainda bem. Fico muito contente.

    Beijos

    Runa

    ResponderExcluir
  2. Olá querido amigo Runa; permita-me chamá-lo assim. Deixo registrada aqui a minha enorme admiração pela tua poesia, desde que entrei no Luso, tenho aprendido muito lendo-te.E certamente há muito o que aprender...
    Beijos afetuosos em si e neste país que aprendi a gostar tanto.
    Neusa

    ResponderExcluir