Tradutor

sábado, 19 de fevereiro de 2011

Versos adiados




                                           Pousar-me-ei eu teu peito
                                           onde não existe sono
                                           Quero me acordada
                                           saber do teu respirar
                                           brando, morno e úmido
                                           nas batidas do teu coração...

                                           Amar-te-ei lentamente
                                           de olhos fechados
                                           corpo aberto
                                           e versos adiados
                                           Eu não vou dormir
                                           que o poema espere!

4 comentários:

  1. Interessantíssimo o final deste poema!
    Gostei imenso.

    Beijo grande

    ResponderExcluir
  2. Já tentou correr bem ligeiro chupando limão?
    É parecido com a sensasão que tive ao ler...
    Muito bom!
    Parabas!

    ResponderExcluir
  3. Que o poema espere!
    Beijo grande
    Neusa

    ResponderExcluir
  4. Nunca tentei, rsrs.
    Mas se você gostou, para mim é um prêmio.
    Agradecida.
    Beijos mil
    Neusa

    ResponderExcluir