Tradutor

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Um verter de amor

                                          Verto do peito águas quentes
                                          as que teus olhos aquecem
                                          quando desejam os meus
                                          entreabertos de tanto querer!


                                          Verto das mãos trêmulas
                                          um raio, uma faísca
                                          a que queima o corpo
                                          em apenas um segundo!


                                          Verto dos lábios úmidos
                                          o doce, o mel e o desejo
                                          que me mantém suspensa
                                          na ponta de uma espada!


                                          Verto enfim...tudo de mim
                                          Tudo o que outrora adormecido
                                          hoje despertei por ti!

2 comentários:

  1. Este poema é meu favorito e vai para o nosso Blog!

    Beijo grande

    ResponderExcluir
  2. Este poema é muito especial para mim.
    Saber que é seu favorito me emociona.
    Beijos
    Neusa

    ResponderExcluir