Tradutor

quinta-feira, 23 de junho de 2011

O sangue dos meus poemas

Adormeço meus sonhos
em altas montanhas
Naquelas que os mares
mantêm sobre suas águas

Lá eu me sinto tão grande
do tamanho de um grão de areia

E quando de meus olhos brota o sal
que tempera o mar
De minhas veias nasce
o sangue dos meus poemas

terça-feira, 14 de junho de 2011

Dissolvida em ti

Dissolvi-me em teu peito

e adiei o sono

Respirei as batidas

do teu coração, ao luar

Que emocionado chorou

Quando o Sol surgiu

sorrindo ao amor

que ao amanhecer

se fez maior!

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Na palma da tua mão / Dedicatória

Sei do sol que de sede
em minha face se alimenta
para além dos sonhos
que invento pela manhã
Sei de ti nuvem viajante
molhando desertos com
tempestades sem fim
Numa noite que cabe
na palma da tua mão.

sábado, 4 de junho de 2011

Sede de mim



Toque-me devagarinho
não me faça dormir
Deixe teu reflexo
Leve meus segredos
Voltarás quando
Não suportar a
sede de mim!

quarta-feira, 1 de junho de 2011

A chuva dos meus olhos

Esqueci minha caixinha
de lápis de cor
na chuva dos meus olhos
Lembro-me apenas
dos versos que guardei
numa espada afiada
Aquela que abraço quando
regresso de mim.