Tradutor

quinta-feira, 29 de março de 2012

Molhadinha

Sonhando ou acordada
te tenho todas as noites
em meus lençóis
Secos ou molhados

Nesta noite me senti sozinha
e viajei contigo
aqui me amando
teu sorriso doce de menino
me desejando

Tuas mãos macias me faziam coisas
que guardarei para sempre comigo
Somente eu sei como faziam
Elas me tocavam de um jeito
que um rio quente
de mim vertia

Nem queira saber do final
Ainda estou exausta
e levemente tonta
Mas se vier, quero mais

A cama goteja mel
O lençol ainda arde em chamas
Minha pele molhadinha
implora pela tua

Vou me deitar aberta na janela
Fumaria, se fosse o teu cigarro
Mas vou olhar as estrelas
e sorri com elas

Sentindo meu corpo secar
com o sopro do luar
As mãos deixarei molhadinhas
para saber do gosto
do gostinho teu

Meu maior poema!


Dentro do meu coração
nasceu uma flor
cujo perfume
embriaga o vento
e intimida o Sol
Quando ela sorri
sei qual é o meu
Maior poema!

quarta-feira, 28 de março de 2012

Águas do Sul - (Dedicatória)


Um vento silenciosamente
beijou as cortinas
do meu quarto

Era o frio
que vinha do Sul
me cobrir a pele nua

Na penumbra, o reflexo
de uma taça de vinho
Quase senti o teu sabor

Ardiam mais que lareira
as águas doces que naveguei
nos lençóis da minha cama

Exausta, adormeci
antes que o rio
me levasse...




sábado, 24 de março de 2012

Lago de sangue


Novamente a tristeza
Choraria,
Se ainda houvessem
lágrimas

Pés descalços
Presos ao chão
Numa poça de sangue

Não sei se anoiteceu
Ou se fiquei cega
Sei da chuva
com nuvens más
cuspindo em mim

Cançada, deito-me
neste, agora lago
de sangue e lama

sábado, 3 de março de 2012

Tua flor

Quando tuas mãos meu corpo
vem contemplar
me despetalo em baixo

É tua a flor que abro
penetre sua noite
e beba seu néctar

Pela manhã estarás
umidecido ao fogo
do mel que te guardei