Tradutor

sábado, 3 de março de 2012

Tua flor

Quando tuas mãos meu corpo
vem contemplar
me despetalo em baixo

É tua a flor que abro
penetre sua noite
e beba seu néctar

Pela manhã estarás
umidecido ao fogo
do mel que te guardei

4 comentários:

  1. Um poema bem dentro do estilo a que nos habituaste. Um sensual delicado.
    Beijo do ZÉ

    ResponderExcluir
  2. Se o lobo não uivar.
    Como é que a lua.
    Ira saber.
    Que é adorada.
    Continuas a mesma poetisa.
    Jorge.

    ResponderExcluir
  3. Perdido.
    Nas suas próprias pegadas.
    Quando descobri.
    Que as marcas.
    Tinham se apagado.
    Bom dia.
    Dona Neusa.
    JC.

    ResponderExcluir